Mostra Competitiva de Curtas

Uma mostra internacional competitiva de curtas-metragens, com foco principal em seus roteiros.

Na edição 2018 foram inscritos 199 filmes de 25 países diferentes e 14 obras foram selecionadas. As sessões serão realizadas nos dias 18 e 19 de julho na Cinemateca Capitólio.

Os filmes selecionados concorrerão aos seguintes prêmios: “melhor roteiro”, “melhor personagem”, “melhor diálogo”, “melhor cena”, “melhor final”, “melhor título” e “melhor roteiro segundo júri popular”. Todos os roteiristas dos filmes premiados ganharão um software Final Draft 10 (no valor de 250 dólares).

O FRAPA parabeniza os selecionados para a Mostra Competitiva de Curtas 2018:

“1947”, roteiro de Giordano Gio (Porto Alegre/RS)
O jovem Hermes, isolado em seu sótão, envolve-se em uma insólita espiral emocional depois de flagrar o suicídio de seu avô, de quem herdou o nome, a curiosidade, as contradições e uma estranha obsessão por tudo que aconteceu no ano de 1947.

 

“2nd CLASS”, roteiro de Jimmy Olsen (Suécia)
Charlotte é a nova professora da segunda classe. Durante uma saída com amigos, ela é atacada por um nazista. Após sair do hospital e voltar pra escola, ela descobre que um de seus alunos é filho desse nazista.

 

 

 

“COUNTERFEIT KUNKOO”, roteiro de Reema Sengupta (Índia)
Em um país no qual o estupro conjugal não é criminalizado por lei, Smita precisou de muito esforço para sair de um casamento abusivo. Ela mora em um apartamento de um quarto em Bombaim e ganha seu sustento fazendo falsificações de colares tradicionais para mulheres casadas. Um dia, sua recém-conquistada vida tranquila é abalada com o som da campainha. A partir daí, Smita passa a enfrentar diferentes tipos de bestas no que descobre um estranho pré-requisito para alugar uma residência na Bombaim de classe média. Será que Smita encontrará um espaço só seu? Será que existe alguma esperança de libertação sexual ou da sociedade? Será que a campainha irá um dia parar de soar — de novo, e de novo e de novo? Counterfeit Kumko não é apenas uma afiada resposta feminista à misoginia intrínseca à sociedade. É a exploração das idiossincrasias que são resultado dessa sociedade, das batalhas que uma mulher deve lutar, e se vencer ou perder essas batalhas significa, de fato, algo.

 

“DE TANTO OLHAR O CÉU GASTEI MEUS OLHOS”, roteiro de Nathália Tereza (Campo Grande/MS)
O pai de Luana e Wagner envia uma carta após anos de abandono. Wagner acredita que o pai pode ter mudado. Luana não.


 

EL NIÑO Y LA NOCHE”, roteiro de Claudia Ruiz (Argentina)
Luisito é um menino de oito anos que vai visitar sua avó. Durante a noite, no atelier de seu avô (onde Luisito está dormindo), a lua o acorda com um raio de luz e o leva a um escritório, onde há uma marionete que quer ser consertada. Em busca dos fios que faltam, Luisito deverá atravessar diferentes perigos. A noite, a lua, a avó e uma poça de água no pátio serão cúmplices desta mágica aventura.


“FINCHE’ C’E’ IL MARE”
, roteiro de Francesco De Giorgi (Itália)

Antonio está voltando para casa. Ele precisa falar com seu melhor amigo, Sandro. Eles não se encontram desde um trágico acontecimento que mudou suas vidas para sempre. Porém, Antonio sabe que algo está para acontecer.

 

 

“LAST RESPECT”, roteiro de Reut Dagbar Agami (Israel)
Roni (Tamar Alkan Meushar) chega na sala de emergência para acompanhar seu pai (Zeev Revah) que sofre de uma dor severa. A longa espera leva a um encontro pesado, forçando-a a lidar com as difíceis perguntas que ele faz sobre a relação dos dois.

 

“LITTLE FIEL”, roteiro de Irina Patkanian (Estados Unidos)
As armas não são os assassinos. São pedaços de metal que podem ser usados para montar qualquer coisa, até mesmo um garoto, um pássaro ou uma rosa. Assim como os pedaços fazem as coisas, podemos desfazê-las, uma por uma.

 

“MC JESS”, roteiro de Carla Villa-Lobos (Rio de Janeiro/RJ)
Jéssica tem que enfrentar o preconceito cotidiano. Busca na arte uma forma de se expressar e superar suas inseguranças.

 

 

“NANÔ, roteiro de Rafael de Amorim (Recife/PE)
Em um complexo portuário e industrial, a população enfrenta o processo de gentrificação do território. A resistência é a terra.

 

 

“SUPERPINA”, roteiro de Jean Santos (Recife/PE)
Paula (Dandara de Morais) é uma jovem criativa que faz “bicos” como fotógrafa e também atua como cantora em um restaurante chamado “Boca da Noite”. Seu currículo é selecionado para trabalhar no “Superpina”, um pacato supermercado no coração do bairro do Pina. Entre prateleiras e estoques, clientes e funcionárixs irão experimentar o “Amor Primo”.

“SUBMERSO”, roteiro de Pedro Harres (Alemanha)
Hans já não é tão jovem quanto antigamente. Para evitar a solidão, ele precisa aprender a nadar no mar de informações de hoje em dia. Estará ele preparado para a esmagadora quantidade de distrações e armadilhas que o mundo online tem a oferecer?

 

“THE MAN WHO FORGOT TO BREATHE”, roteiro de Saman Hosseinpuor (Irã)
Um homem que esquece de respirar enquanto dorme. Recentemente, brigou com a esposa, pois ela desejava deixá-lo e pedir o divórcio.

 

 

“UrSORTUDO”, roteiro de Januário Jr. (Paranoá/DF)
Aos Naldos, resta viver com as sequelas dos equívocos gerados pelas ações desse “estado de exceção” permanente, que encarcera por engano e não sabe o porquê. Enquanto aos demais, um pouco de leniência com aqueles, que agora são, falsos criminosos.

 

*
A CURADORIA da Mostra Competitiva de Curtas 2018 foi formada por:

ALESSANDRO ENGROFF
Roteirista e jornalista. Fez parte da sala de roteiristas da sitcom “Paralelo 30”, em fase de finalização pela Panda Filmes e com previsão de estreia para 2018 no canal Prime Box Brazil. Por dois anos (2016 e 2017), participou do Globo Lab, o laboratório de ideias da emissora. No primeiro deles, foi um dos 10 finalistas (entre 1,2 mil inscritos) em um concurso de webséries para o GShow; no segundo, foi convidado para criar formatos e conteúdos para o programa “Lazinho com Você” (2017), de Lázaro Ramos. Em 2016, foi finalista do Festival GUIÕES (Portugal) com o longa-metragem de drama “Filho dos Sonhos”. Desde 2014, trabalha na produção do FRAPA.

CAMILA TARIFA
Mestra em roteiro audiovisual pela EICTV – Cuba em 2014. Pós-Graduada em Práticas Curatoriais e Gestão Cultural pela Faculdade Santa Marcelina em 2011. Graduada em Cinema pela Faap em 2008. É sócia da Trapézio Produções Culturais e trabalha como produtora, roteirista, diretora de arte e diretora de projetos de cinema, além de produzir o Cinefest Gato Preto em Lorena (SP).

DENISE MARCHI
Nascida em São Paulo, criada em Salvador e formada em cinema no Rio Grande do Sul, atua no mercado audiovisual desde 2006 principalmente como diretora, roteirista e produtora executiva, tendo já editado diversos produtos também. Entre seus principais trabalhos como diretora e roteirista estão a série documental Por mais terras que eu percorra, na qual também foi produtora executiva; e os curtas “Trocam-se bolinhos por histórias de vida” (2010), “Uma vida feita de outras” (2012) e “O homem que conserta estrelas” (2013) que, juntos, já percorreram mais de 35 festivais nacionais e internacionais, incluindo o Festival de Paulínia, o Festival de Havana, o FESTin e o Kunzfilmfetival, conquistando prêmios em diversos deles.

ELEONORA LONER
É roteirista graduada pelo curso regular da EICTV (Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de los Baños, Cuba), na especialidade de Roteiro, e pelo curso de Cinema e Animação da UFPel. Ministrante e idealizadora da Criativas – Oficina e Laboratório de Roteiro Audiovisual para Mulheres. Participou da equipe de roteiristas da série O Ninho (premiado no 2º Festival Telas e no Outfest Los Angeles 2016). Escreveu diversos curtas-metragens e seu roteiro Matrioshkas, de longa-metragem, ganhou menção honrosa no Prêmio de Roteiro Cabíria. Dava aulas no curso de Cinema e Audiovisual da UFPel e desenvolve projetos de longa-metragem e séries.

EMILIANO CUNHA
Formado em cinema pela PUCRS e Mestre em Comunicação pela mesma universidade com pesquisa sobre o “Cinema de Fluxo brasileiro”, Cunha é diretor, roteirista e produtor. É sócio da produtora Ausgang, professor no curso de Produção Audiovisual da Uniritter, e na Fluxo: Escola de Fotografia Expandida, onde leciona o curso “Direção Cinematográfica: construindo atmosferas”. Realizou os curtas-metragens “O Cão” (2011), “Lobos” (2012), “Tomou café e esperou” (2013), “Navegantes” (2015), e “Sob Águas Claras e Inocentes” (2016). Dirigiu também a minissérie ficcional “Horizonte B”, licenciada para a Netflix. Atualmente, trabalha na finalização de “Raia 4”, seu longa-metragem de estreia, e no curta “Endotermia”.

PEDRO PERAZZO
Roteirista baiano, escreveu os longas-metragens “Homem Livre” (2017) e “Alemão 2” (em pré-produção/ RT Features). Roteirista das séries Irmãos Freitas (Gullane/ canal Space) e Jungle Pilot (Giros/ Universal Channel). Escreveu e co-dirigiu o curta-metragem “Menino da Gamboa” (2014), que passou por festivais importantes como Havana, Rio, Toronto e Valência. Atualmente, desenvolve seu primeiro longa como diretor, “Receba!”.

 

REGULAMENTO DA MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS

1) A sexta edição do FRAPA – Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre acontecerá na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, dos dias 17 a 20 de julho de 2018.

2) Os filmes inscritos na Mostra Competitiva deverão obedecer os seguintes critérios:
I) Possuir até 30 minutos de duração, incluindo créditos.
II) Possuir formato digital em FULL HD para exibição.
III) Não ter sido exibido publicamente antes do dia 1º de janeiro de 2017.
IV) Não ter sido inscrito em uma edição anterior do FRAPA.

3) A inscrição se dará mediante preenchimento do formulário online no site do FRAPA e envio do link do filme (Vimeo, Youtube). Caso o vídeo tenha senha condicionando o acesso, a mesma deverá ser informada no ato da inscrição.
I) Serão aceitos filmes de ficção, documentário ou animação, provenientes de qualquer país ou território.
II) Quando o filme estiver em outro idioma que não seja o português, deverá obrigatoriamente estar
 legendado em português, inglês ou espanhol para a seleção. No caso de o filme ser selecionado, deverá enviar a cópia de exibição com legenda em português.
III) Caso o filme seja selecionado, será solicitado o roteiro em formato PDF. Serão aceitos roteiros apenas em português, inglês ou espanhol.

4) As inscrições ficarão abertas até as 20h, horário de Brasília, do dia 08 de maio de 2018.

5) As inscrições de cada curta-metragem na Mostra Competitiva do FRAPA serão confirmadas mediante a confirmação do pagamento da taxa de R$ 20,00 (vinte reais).

6) A seleção ficará a cargo de uma curadoria composta por profissionais do meio cinematográfico, convidados pela organização do Festival. O foco da seleção será nos roteiros dos filmes, de modo tal que as decisões desta curadoria sejam soberanas e irrecorríveis.

7) A organização do FRAPA tem autonomia para prorrogar, ou não, o prazo de inscrição de acordo com a necessidade do evento.

8) Caso o resultado da seleção inclua filmes estrangeiros, os responsáveis pela inscrição deverão enviar a lista de diálogos em inglês ou espanhol para organização do FRAPA em até 5 (cinco) dias. O FRAPA providenciará a tradução dos diálogos para a língua portuguesa e devolverá para que os interessados providenciem a respectiva legendagem e preparação da cópia de exibição. A cópia de exibição dos filmes de curta-metragem selecionados deverão ser entregues à organização do FRAPA, impreterivelmente até a data 15 de junho, mediante envio de link para download. O arquivo do filme para exibição deverá estar em formato digital – full HD (MOV-H264), som dolby 5.1 ou 2.0 (estéreo). As cópias de exibição deverão estar legendadas em português com o texto inserido na imagem, não podendo ser enviado em arquivo separado (ex.: .srt).

9) No ato da inscrição, o Responsável pela mesma autoriza o FRAPA, através de seus organizadores a divulgarem a exibição do filme, por meio de fotos, frames e/ou trechos do curta-metragem, bem como dos nomes relacionados na ficha técnica.

10) Os filmes selecionados para a Mostra Competitiva concorrerão aos prêmios de:
I) melhor roteiro
II) melhor personagem
III) melhor diálogo
IV) melhor cena
V) melhor final
VI) melhor título
VII) melhor roteiro segundo o público

11) A escolha dos premiados em todas as categorias citadas acima será feita por um corpo de jurados que será divulgado no ato de premiação.

12) O resultado das premiações do júri será divulgado no encerramento do Festival, juntamente com os troféus. Caso o vencedor não compareça, poderemos enviar por correio para qualquer cidade do Brasil. Caso o vencedor seja residente em outro país, ele deverá ser o responsável pelos custos de envio. As Comissões de Seleção e de Premiação são soberanas em suas decisões, não cabendo recursos.

13) Os realizadores encarregados das inscrições das obras audiovisuais devem ter a garantia da obtenção e liberação de direitos conexos relativos à inclusão de obras musicais e audiovisuais e imagem e som de voz de indivíduos porventura incluídos na obra inscrita, sendo inteiramente responsáveis por quaisquer ônus decorrentes da ausência de tais liberações.

14) Os responsáveis pelas inscrições das obras audiovisuais autorizam tanto a exibição dos filmes quanto a publicação dos roteiros enviados no ato da inscrição no site do FRAPA, em caso de seleção das respectivas obras audiovisuais. Os roteiros estarão disponíveis para download no site do evento.

15) Situações excepcionais ou casos omissos a este regulamento serão decididos pela organização do FRAPA. Dúvidas decorrentes do presente regulamento deverão ser encaminhadas ao e-mail frapa@frapa.art.br.